IGREJA PERSEGUIDA

A Igreja de Cristo ao redor do mundo é normalmente identificada com a livre comunhão, encontros públicos de adoração, leitura zelosa da Palavra e disposição para proclamar o evangelho de Deus.

Porém, essa não é a realidade de todos, especialmente da chamada Igreja Perseguida. Há muitos que, por seguirem a Cristo, estão sujeitos a diversos tipos de perseguição, discriminação e provações. Vários são sequestrados e sobre eles nada se sabe. Muitos vivem encarcerados, seja de forma física, social ou emocional. Milhares são deslocados de suas casas e terras a cada ano.

Milhões são preteridos de professar abertamente a sua fé. Há ainda aqueles que sofrem pela exclusão familiar. Um em cada três cristãos no mundo de hoje enfrenta algum tipo de perseguição, e cerca de 120 milhões habitam em regiões onde há repressão hostil à sua fé.

É certo que a perseguição não é um fenômeno novo na história do povo de Deus. Em Atos 8, a Igreja que amava a Jesus passou por uma longa provação.

Lucas nos diz que a Igreja era “perseguida”, utilizando aqui o vocábulo grego, que significa um forte e visível ataque, para indicar que o sofrimento da Igreja nesta época de dispersão era perceptível por todos. Homens e mulheres eram mortos, outros encarcerados, famílias partidas ao meio e aqueles que conseguiam fugir deixavam para trás suas vidas e história.

Pintando esse quadro, Lucas também expõe que a Igreja “pranteava” a morte de Estevão, usando a expressão , que significa dor da alma. Esse termo mostra o sofrimento emocional pelo qual passavam. No verso seguinte notamos que Saulo “assolava” o povo de Deus, utilizando-se aqui a expressão, que possui a mesma raiz da usada em João 10.10, ligada à destruição da fé e das convicções, quando se refere àquele que veio roubar, matar e destruir.Trata-se de um sofrimento espiritual.

Esses três tipos de sofrimento, descritos em contexto de perseguição em Atos 8 (físico, emocional e espiritual), podem muito bem ilustrar as vias de dor da igreja ao longo de sua história, bem como nos dias de hoje.

O Salmo 126 nos fala sobre a relação entre a caminhada e o choro da Igreja. Quem sai andando e chorando enquanto semeia voltará para casa com alegria trazendo seus feixes, o fruto do trabalho. Para seguirmos o Caminho é necessário andar e chorar, e é certo que muitos fazem ambas as coisas.

Devemos nos lembrar da Igreja Perseguida. A dispersão indesejada, a insegurança que parece não amenizar, a incerteza do amanhã – também do hoje – e o sentimento de que há ainda um caminho longo demais a percorrer.

Devemos nos ajuntar a estes para chorar com os que choram (encorajá-los, orar com eles e apoiá-los) para que na graça do Pai sigam com fé por este caminho estreito que os levará à Alegria que se renova pela manhã.

(Fonte: Revista Portas Abertas – Maio de 2012).

Igreja Batista Centenário
Lugar de gente feliz e abençoada 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: